Por que microgerenciar o seu negócio não te permite ter uma empresa autogerenciável ?

Se você é do tipo de empresário controlador, criterioso (a) com tudo o que os seus funcionários fazem e que quer que tudo seja feito do seu jeito… você está aplicando o tal do microgerenciamento. E isso é um péssimo negócio para a sua empresa. 

Empresários que adotam o microgerenciamento pensam que estão fazendo um trabalho duro. Mas, na verdade, não estão. Um trabalho duro de verdade consiste em transformar os seus funcionários em autônomos, e não em testar a confiança deles. 

Dentre as consequências do microgerenciamento, estão o eterno impasse com a sua equipe e a sobrecarga de trabalho por parte do empresário. E esses são alguns pontos que beiram o caos de qualquer empresa.

Para te mostrar que o microgerenciamento não te leva a lugar nenhum, eu, Marcelo Germano, fundador do EAG Empresa Autogerenciável, vou explicar o que deve ser feito para realmente levar a sua empresa ao sucesso, a partir do que eu mesmo construí ao longo desses 24 anos como empresário. 

Te desejo uma excelente leitura e reflexão!

O que é microgerenciamento?

Microgerenciamento é quando um empresário delega uma atividade ao seu funcionário, mas não lhe dá autonomia. Ou seja: toda hora, esse dono de empresa vai verificar se o colaborador está exercendo a sua função do jeito que ele, empresário, faria.

Outro motivo para a falta de autonomia é quando o funcionário toma uma decisão depois de acontecer um imprevisto, mas é criticado pelo dono da empresa. 

O microgerenciamento está muito ligado ao controle que um empresário toma para si dentro de sua empresa. Ou seja: é ele quem está no comando de tudo, o tempo todo.

Por isso, ao invés de trabalhar na parte estratégica do negócio, que é a parte que o faz crescer, esse empresário também checa excessivamente a parte operacional, que diz respeito aos seus funcionários. E isso gera muitos problemas para a sua empresa. Vou mostrar alguns deles.

Principais problemas do microgerenciamento

Eu costumo dizer que, quem faz microgerenciamento, delega a responsabilidade do fracasso. Ou seja: esse empresário não dá autonomia para o seu funcionário ter sucesso e também não tem sucesso. 

Quando você, dono de empresa, fica vigiando os seus funcionários o tempo inteiro para ver se eles estão fazendo o que você faria, você fica sobrecarregado com o seu trabalho e o trabalho deles.

É bem capaz que, neste momento, você se pergunte: “Por que tudo dá errado quando não compareço à minha empresa?”. Porque, na sua cabeça, a única pessoa que sabe fazer tudo na sua empresa é você. E não é verdade.

Se eu confio nos meus funcionários, eu os deixo fazer as suas atividades. Mas se o seu medo é que eles não façam bem feito, é por que você não vem dedicando seu tempo para treiná-los e capacitá-los, alinhando-os ao propósito da empresa e aos objetivos traçados. Estou falando do desenvolvimento dos seus colaboradores, do seu e da sua empresa. Como fazer isso?

Torne a sua empresa autogerenciável 

Para mim, um case de sucesso é quando um empresário consegue tornar a sua empresa em uma empresa autogerenciável. Isto é: um negócio que atinge resultados e funciona perfeitamente sem que você precise estar na sua empresa o tempo todo.

Para ter uma empresa autogerenciável, você precisa de funcionários que trabalhem junto a você, alinhados à sua empresa, capazes de fazê-la crescer. 

Desta forma, você precisa implementar alguns passos fundamentais na sua empresa, que vão fazer de você um case de sucesso. 

Os 3 passos são:

  1. Ter uma cultura organizacional clara e alinhada    

Você pode nem estar atento a este detalhe, mas a cultura organizacional é, simplesmente, o funcionamento da sua empresa. 

Se você nunca parou para pensar nisso, este é o momento da verdade: os resultados e o crescimento do seu negócio podem estar comprometidos. A cultura precisa, sempre, estar alinhada ao que o dono deseja. É por isso que você tem funcionários desmotivados ou resultados abaixo da média do seu segmento. Sua empresa não está alinhada sobre onde precisam ir.

Por outro lado, quando você tem a missão, visão e valores da sua empresa muito bem definidos e processos bem estruturados, você consegue posicionar os seus funcionários ao objetivo central da empresa. 

Aqui em explico detalhadamente o que uma cultura organizacional e como você pode dar os primeiros passos para construir uma CULTURA FORTE na sua empresa:

  1. Saber capacitar e apoiar funcionários

O seu papel como líder é conhecer os seus funcionários e saber o que eles são capazes de fazer. Alguns deles serão colaboradores sem maturidade, que sempre precisam da presença do chefe por perto. Já outros, serão profissionais com maturidade, que sabem tomar as próprias decisões.

Conseguindo separar esses dois tipos de funcionários, o primeiro passo é conseguir desenvolver as pessoas sem maturidade, transformando-as em funcionários autônomos. Este desenvolvimento se dá com você estabelecendo metas e seus respectivos prazos de cumprimento.

Até então, parece com microgerenciamento. Mas não é. A diferença é que você vai celebrar os acertos desse funcionário, assim como vai dar feedbacks de quando algo não sair como o planejado. Desta forma, essa pessoa consegue se desenvolver e se capacitar para, futuramente, tomar as próprias decisões e saber quais metas deve traçar.

Por outro lado, você vai adotar outro tipo de comportamento com os seus funcionários já maduros. Você vai pedir para essa pessoa estabelecer a própria meta e seu prazo. O seu papel será o de aceitar aquela meta, ou de sugerir melhorias para que ela seja cumprida.

  1. Delegar tarefas

Por fim, você vai continuar delegando tarefas aos seus funcionários. Mas, lembre-se: no microgerenciamento, o empresário delega, mas não dá autonomia aos seus funcionários.

Neste caso, você vai estabelecer quais são as próximas metas da empresa, para que elas sejam cumpridas pela sua equipe e acompanhadas por você. Desta forma, você delega as tarefas aos seus funcionários, de acordo com a maturidade deles dentro da empresa.

Ter uma equipe autogerenciável é isso. É preciso desempenhar o duro trabalho de capacitá-los, treiná-los, motivá-los e parabenizá-los e acompanhar a jornada… de longe.

Considerações finais

Cumprindo esses três passos, você consegue ocupar o seu verdadeiro lugar dentro da sua empresa: o estratégico. Você e seus funcionários ganham qualidade de vida, sua empresa se desenvolve e ganha consistência nos resultados. 

Por isso, é fundamental adotar medidas que vão estimular a autonomia da sua equipe, para que você se concentre em trabalhar no que realmente importa: no crescimento do seu negócio, transformando-o em uma empresa autogerenciável. 

Foi com essa premissa que surgiu o EAG Empresa Autogerenciável. Depois das inúmeras dificuldades que passei para manter as minhas empresas, muitas vezes sem sucesso, aprendi e reuní ferramentas valiosas que poderiam se aplicar para negócios de ramos bem distintos.

O EAG oferece treinamentos para donos de pequenas e médias empresas que estejam realmente vivendo um verdadeiro CAOS nas suas empresas e dispostos a ter uma equipe autogerenciável.

Nosso objetivo é transformar a sua gestão por meio de treinamentos práticos e de alto impacto dinâmico. 

Nossa meta é fazer com que todo empresário saia de nossos treinamentos com o passo a passo em mãos do que precisa aplicar em seu negócio. É necessária alta dedicação dentro e fora deles. 

Está disposto a acabar com o CAOS que está a sua empresa? A parar de apagar incêndios todos os dias no seu negócio? Não pense duas vezes: conheça a nossa Imersão EAG para  alcançar o crescimento que sempre sonhou.

O EAG Empresa Autogerenciável foi criado para ajudar donos de empresas a resolverem o caos em que seus negócios se encontram e torná-los autogerenciáveis.